Luís Onofre “Falta de mão-de-obra pode colocar em causa toda a indústria do calçado”

Luís Onofre “Falta de mão-de-obra pode colocar em causa toda a indústria do calçado”

Numa entrevista sincera para o Dinheiro Vivo, o novo presidente da Confederação Europeia da Indústria de Calçado, Luís Onofre aborda a falta de mão-de-obra e as suas prioridades para o cargo.

Questionado sobre o balanço do último ano, Luís Onefre diz “As perspetivas não são muito animadoras, porque se mantêm uma série de incertezas que estão a levar o consumidor a retrair-se e a afetar o comércio mundial. Julgo que nos devemos precaver para tempos não tão bons como aqueles a que estávamos habituados. Mas acredito no futuro do calçado, até porque já vivemos tempos bem piores. E as empresas estão a investir fortemente com o que de melhor há a nível tecnológico e da indústria 4.0 e esperamos ter um retorno disso nos próximos anos.”

E, em relação ao desemprego nessa indústria, explica “É um problema muito grande e que as alterações que o Governo introduziu ao nível das reformas antecipadas veio agravar. Falo por mim que tenho quatro ou cinco trabalhadores que se vão reformar, excelentes profissionais que me vão fazer muita falta. É muito difícil encontrar pessoas, principalmente jovens, que queiram vir para esta industria, e não é pelo salário. O que eu não percebo quando vejo que ainda há 7% de desempregados em Portugal. Estamos em pleno défice de mão-de-obra especializada, uma tendência que, se se agravar, pode por em causa toda uma indústria.

Temos défices em todos os sectores. Na costura, na montagem, nos acabamentos, na parte comercial e criativa… Já propus uma reunião ao Ministério da Educação para discutir o tema, acho que em cada cidade onde a indústria do calçado está presente deveria haver disciplinas nas escolas vocacionadas para a indústria, designadamente ao nível do design de calçado, etc. Precisamos que os jovens percebam que esta é uma indústria moderna, altamente tecnológica e inovadora.”

Deixe um comentário