Investigações do acidente de Sara Carreira: Condutor seguia alcoolizado

Como foi avançado há dias, o relatório final do acidente onde Sara Carreira perdeu a vida, encontra-se nas mãos da GNR e ainda não terá sido entregue ao Ministério Público. Aliás, foi “pedida uma nova prorrogação do prazo”, adianta Hernâni Carvalho.

“Ainda não há resultado final sobre a velocidade a que seguiam os carros [envolvidos no acidente, ocorrido a 5 de dezembro do ano passado]. As perícias do Laboratório de Polícia Científica (LPC) feitas às centralinas [dispositivo eletrónico que pode aferir a velocidade e as travagens] dos carros envolvidos foram inconclusivas. A GNR está a ultimar em laboratório as conclusões sobre perícias feitas recentemente na A1… por via destes testes do LPC não estarem ainda concluídos”, esclarece.

O carro onde seguia Sara Carreira era o terceiro do troço da A1. O primeiro veículo tinha um condutor que apresentou uma taxa de alcoolemia de 1,35 g/l, o dobro do permitido por lei. “O acidente que provocou a morte de Sara poderia vir a provar-se ter começado numa negligência tida na via direita da autoestrada, por quem não estava na plena posse das suas faculdades para conduzir”, afirma Hernâni.