Cantor diagnosticado com vício excessivo

Falou abertamente sobre a sua vida privada com Beatriz Gosta, tendo dado a conhecer um vício que o “obriga” a ter que fazer amor todos os dias…  diz ele que há uns anos um médico o diagnosticou com excesso de apetite sexual, ou seja, vício de estar no truca-truca todos os dias…

“A minha máxima de vida é que as três melhores coisas da vida são duas: sexo. Adoro mesmo. Gosto muito. Sexo é sinonimo de prazer. Quem é que não gosta de ter prazer?”, disse.

O cantor falou ainda da diferença entre sexo e amor e revelou que, em determinados momentos da sua vida, confundiu os dois. “Levou algum tempo… Cheguei muitas vezes a fazer uma grande confusão. Era só prazer, às vezes. Hoje, amo muito e consigo juntar o sexo e o amor, e é fantástico. Descobri isso um bocadinho mais tarde”, disse.

“Eu sempre fui sexualmente muito ativo. E isto não é nenhuma fanfarronice. Eu cheguei a ir ao médico. Eu casei a primeira vez com 17 anos… A pessoa com quem eu estava casado trabalhava e conversava com colegas. As mulheres conversam, não é? E ela chegava a casa e dizia ‘não é possível, tens de ir ao médico’. E fui… E era uma coisa qualquer que tem a ver com vício. Devo ter tido um bocadinho disso, mas o médico respondeu que cada pessoa é uma pessoa e que as pessoas são como são”.

O cantor, de 58 anos, disse ainda que continua a ser sexualmente ativo. “Quando se tem o parceiro certo, a coisa funciona muito bem. É estranho o que eu vou dizer, mas eu tenho de fazer amor todos os dias. Se eu não fizer, ando maldisposto”.

Na mesma conversa, revelou ainda que teve a sua primeira relação sexual com 12 anos de idade… “Foi uma situação interessante. Eu toco viola e canto, e tenho um tio que era gerente de um banco, na altura. Tinha uns clientes e não sei quê… e diz-me ‘anda comigo, vamos cantar à Pousada de São Filipe. Traz a guitarra’. Então fomos. Estava tudo com os copos… e estava uma espanhola solteirona, para aí com 30 anos. E foi aí que aconteceu”.